Mais novo e brevíssimo conto de amor de casal fofo – branquinho, cheiroso, hétero e temente a Deus – de curitibanos de bem.

Primeiro ato – Durante viagem a Copenhague, Dinamarca, para comemoração de um ano de casados:

– Moziquinho, eu to a-p-a-i-x-o-n-a-d-a por esse país! Só gente educada, bonita e simpática, daí!

– Não te disse, Guguzinha? Quando pesquisei no Google e sugeri Copenhague pra nossa viagem eu tinha certeza que ia ser massa!

É primeiro mundo do primeiro mundo isso aqui!

– Como sempre brilhante, Moziquinho! Nada de Paris, Roma, Espanha… Esses lugares já estão infestados de excursão de brasileiro sem educação, daí! Aqui não, nem se escuta português!

– E com a vantagem que todos falam inglês, né?

– Claro! Gente diferenciada…

– E o que foi aquele smørrebrød com arenque e hortaliças que almoçamos, Guguzinha? Fala pra mim… Tô empachado até agora!

– Ahhhh, Moziquinho, eu vi na Globonews que aqui vai ser lei: só agricultura sem agrotóxicos e transgênicos!

– Capaz, é diferença no gosto mesmo… Dá até uma invejinha branca!

Segundo ato – De volta a Curitiba, Moziquinho e Guguzinha enfrentam trânsito na BR-116 na entrada da cidade, provocado por manifestação do MST contra plantações de transgênicos da Monsanto:

– Que horror isso, Moziquinho! Bando de jacus sem louça pra lavar! Certeza que são sustentados pelo governo comunista do PT, daí!

– Tô de cara, Guguzinha, tô de cara! Olha, me deu vontade de descer e dar umas pauladas nesses tongos que vivem no chuncho! Parece que é gosto de atrapalhar quem trabalha e paga impostos!

– Viu os cartazes deles, Moziquinho?

– Uhum… Querem atacar uma empresa séria, que gera emprego e de padrão internacional, só faltava essa!

– Coisa de comunista, palha total!

– Esse estresse me deu até fome, daí! Vamos naquele espeto corrido novo do Batel?

– Aquele com o bufê de saladas enorme?

– Isso!

– Boa ideia! Como sempre brilhante, Moziquinho!

E viveram no Champagnat, fritinhos para sempre.