são paulo, higienópolis, casa do fhc, escritório

 

– Socorro, a serviçal do meu querido amigo temer folgou hoje.

– e eu mais isso, sô?

– você, por acaso, conhece alguém que poderia ir hoje pra lá?
– eu, uai.
– você?!
– justim eu.
– mas você é cozinheira. sabe fazer faxina?
– ô coiso, falá procê, trem trapaiado: tiranu votá nocê e nos igual ocê, já fiz foi de tudo nessa vida.
– ótimo! vou até relevar sua provocação. vou ligar pra ele, então. mas, veja bem, não sei quanto ele paga a diária.
– carece pagá nada não, inconha.
– sério? não vai cobrar nada?
– nadica. faço é gosto.

corta pra casa do temer.

juntinhos, temer e marcela recebem Socorro à porta.

– bom dia. muito prazer, Socorro – dizem, em uníssono, temer e marcela.

– todo seus. gente, mas que casal mais saudávi – diz Socorro.

– obrigada, mas por que diz isso? – pergunta marcela.

– uai, ocê têm essa pele de pêsgo e ele, de amêxa.

– oi? – estranha marcela.

– esquece. então, vaum pro serviço?

– sim, pode ir. no final da sala, vire à direita, que é a cozinha. depois dela, à esquerda, a lavanderia, onde tem um quartinho pra você se trocar, e ao lado, numa portinha, as coisas de limpeza.

– ai, meus querubim! eu num cridito que ocê tá falanu isso.

– o quê? – surpreende-se marcela.

– ô, mô bem, falá procê: ocê taí, quais’ primêra-dama, e num recebe as pessoa direitim, apresentando os cômodo, os lugar. ocê acha bonito isso, mô bem?

– ai, desculpe. vamos lá.

chegando no quartinho, Socorro faz as honras:

– bassôra, rodo, ispanadô, balde, veja – igual a rivista, mas ôtra coisa, tá? -, pano, lustra-móvi, essa é a marcela. marcela, essas é as coisa de limpeza.

– descupe, não estou entendendo.

– ah, mas eu já imaginava mes’. tudo bem, vô clareá procê: que ocê é bela, qualqué um vê. que é recatada, tô venu também. tá cumas rôpa mais fechada que cu de puliça quando tá suzinho, mas tá certa: se eu sêsse casada mais ele, vistia era armadura. agora, fia, porva que é do lar, causdiquê, no tempo meus, sê do lar era fazê as faxina também.

– mas…

– bora, priciosa, bora, que o maridinho vai de recebê as visita é mais logo.