“Oi dotôra, bom dia… Ó, 2 coisa pra te falá: minha menina melhorô. Nem compara o jeito que ela tá hoje com aquele dia que ocê viu ela lá em casa. Perna dela tá ótima, já. Otra coisa: o Zé Pedro tá com os resultado dos exame dele já. Precisava que ocê fosse lá em casa denovo.”

“Ótimo. Vou lá hoje de tarde, assim que acabar as consultas aqui. Tô doida pra ver esses resultados e ver como que ele tá. Mas e você?”

Silêncio.

… e ela chora…

“O que houve?”

“Não sei. Eu acho que os remédio meu de depressão tá fraco.”

“É…?”

“É.”   …

“Ocê não pode trocar ele por outro, não?”

“Posso, uai.”

“Tem 8 anos que eu tomo ele. Se ainda não melhorei, capaz que ele não serve muito pra mim, né? Pro meu caso…”

“É?”

“Porque… assim… minha tristeza começou do nada, né. Eu tava bem. Aí, do nada eu fiquei assim. Não levantava da cama nem pra tomar banho. Não comia, emagreci muito.”

“Entendi. Você tava bem e, do nada, ficou super mal.”

“É… do nada. (silêncio) Assim… foi depois da morte da minha mãe. Eu tenho muito remorso por que eu não ajudei a cuidar dela. Ela gostava tanto que eu visitasse ela, fizesse a comidinha dela, cuidasse do banho… mas eu nunca podia ir.” – chorando muito.

“Ela morava longe?”

“Não. No mesmo lote que eu.”

“Vocês eram brigadas?”

“Não. Meu marido me proibia de sair de casa. Uma vez ele me pegou na casa da minha mãe dando a janta pra ela. Esperou eu chegar em casa com uma faca na mão, me bateu e colocou a faca no meu pescoço.”

“… Que coisa horrível, minha querida.”

“Nossa, sofri demais com ele. Quando a gente saía de casa ele me proibia de aceitar qualquer coisa de comer na casa dos outros. Um dia, minha irmã insistiu muito pra eu comer um pedaço de torta na casa dela, eu peguei um pedacinho, custei pra engolir de tanto medo. Na mesma hora ele me puxou pelo braço e fomos embora pra casa. Apanhei até. Ele ameaçava me matar.”

“Ele morreu?”

“Foi embora. Descobri que ele tinha outra família. A outra mulher obrigou ele a assinar o divórcio. Ela traz ele na rédia curta. Perto dela, ele não dá um pio.”

“Você já contou essas coisas pra alguém?”

“Nunca.”

“Você acha que mesmo com toda essa história, só trocar seus remédios vai ser suficiente pra resolver essa tristeza?”

“Eu não sei… sempre fui tão ativa né… e, de repente fiquei assim. Do nada!”