As rodas enferrujadas estrisdeciam nos trilhos à medida  que o trem avançava

Era uma luta árdua com os pensamentos que ecoavam em minha cabeça

Eles  são como Usain Bolt

velozes e sagazes na disputa para ver quem destrói primeiro

meu cérebro ou o coração.

Dois tolos que não sabem o que fazem. Coletivamente me deixam no limbo

do que fazer da minha vida, do meu cachorro ou em qual supermercado eu devo fazer compras no próximo mês.

 Na verdade eu só queria fugir de mim

Não ser eu,

cansada de mim ou de todas as escolhas que fiz

e como eu deveria continuar naquele trabalho idiota,

com pessoas idiotas, mesa idiota, tudo, tudo entediota.

Eu quero ser essa moça que me oferece chá amargo nesse trem

ou aquela senhora de pulôver vermelho e chapéu com rosas violetas

comendo biscoito e deixando os farelos deleitarem em seus seios.

Já tem as marcas do tempo e parece já ter se perdoado ou acostumada a si mesma.

Queria me olhar de fora

ver o que enxergam em mim

e talvez eu não precisasse botar tanta pressão nessa minha

vida sem sentido que não consigo proceder.

Nossa! Esse moço tá me irritando com essa tosse do cão.

Alguém dê um copo d’água pra essa desgraça por favor!

Eu e essa eterna mania de querer romantizar a

monotonia que é minha vida

na esperança de que Shaskespeare entre aqui

me ofereça a mão e reescreva a minha saga de herói.

Próxima parada: AberladoTeixeira.

Shaskespeare não veio

e nem ele

eu já deveria ter me acostumado.

Poxa, meu último cigarro…

Tem isqueiro?

Obrigada.

Preciso trocar essa rodinha da mala,

de  mala

ou do mala

sem alça.

Quanto? Dois e cinquenta?

Humm…

 

Café! Obrigada por existir!

 

Semana que vem passarei naquela loja

e comprarei uma mala nova.

Rosa choque.

Essa já deu.

 

Com licença, é desse lado que vai sentido Tadeu Leonor?

Obrigada.

 

Quatro da tarde, ao menos chegarei a tempo

pra dar uma volta no parque com o Thunder.

 

Que anta vem até AbelardoTeixeira?

Minha boca tá ressecando.

Você! Você mesma!

Cheirinho de menta.

Essa boca ele também não beija mais.

 

Oba! Trem vazio!

Daria  pra dançar balé nua aqui entre os vagões.

Balé não. Deus me livre!

O paspalho do meu ex me trocou

por aquela bailarina jabruaca de coque perfeito.

 

Atenção! Última chamada! O trem partirá em um minuto.

 

Será que deixei ração suficiente pro cachorro?

Aquele cretino vai morrer

de me ligar e eu não irei atender.

Acabou de vez.

De idiota já basta meu chefe e aquele povo do escritório.

 

Idiota é você, sua trouxa.

Euzinha da silva.

 

Pensando bem,

a vida nao é tão ruim assim.

 

Traguei meu último cigarro

saboreei um café quentinho…
Quem precisa de Shaskespeare

pra reescrever saga de herói?

 

 

 

Raquel Arraes.