Eu sou a única heroína de

minha solidão,

de meus amores.

 E nem por serem de vento,

os meus moinhos

doem menos.

Se a minha coragem é quixotiana,

ainda sim,

é coragem.

As minhas lágrimas não são de vento.

E os meus moinhos, às vezes,

também fazem gozo.

Você ri da minha armadura.

Mas a verdade é

estou nua.