Patativa do Assaré é um dos principais poetas populares da literatura brasileira e universal. No entanto, com exceção da edição de Cante lá que eu canto cá da Vozes, as edições dos livros do poeta são descuidadas, não valorizando o trabalho do grande poeta. Fora isso, há livros que estão, completamente, esgotados, como é o caso de Ao pé da mesa, assinado em conjunto com o seu sobrinho Geraldo Gonçalves de Alencar.

Esse livro nasceu das brincadeiras poéticas realizadas aos sábados e domingos entre Patativa e Geraldo na casa de Inês, filha do poeta maior de Assaré, na localidade de Serra de Santana. No alpendre da casa, os dois sentavam a uma mesa de cedro, em um ambiente preparado por Inês, e desafiavam-se dando motes para que fossem glosados. Por muito tempo, esse jogo poético aconteceu sem que houvesse quaisquer registros escritos até que Geraldo, como ele próprio me contou em uma das visitas que fiz ao poeta em sua casa em Assaré, decidiu anotar o embate entre os dois. Dessas anotações, saiu a edição de Ao pé da mesa.

Há muito esgotado, o livro pode agora ganhar uma nova edição com todo o cuidado que a obra dos dois poetas merece. Trata-se de um projeto vinculado ao site Catarse. Apoiar esse projeto, como diz o cantor e compositor Raimundo Fagner no vídeo da proposta, é preservar a memória do grande poeta e da poesia popular nordestina e brasileira. Dessa forma, nesta minha estreia na revista Língua de trapo, convido os leitores a apoiarem o projeto com a compra de uma cota, recebendo, no mínimo, um exemplar da belíssima edição dessa obra fundamental não só da poesia popular quanto da poética brasileira contemporânea.

Acessem e apoiem o projeto: https://www.catarse.me/ao_pe_da_mesa_beae

Rafael Hofmeister de Aguiar

Doutorando em Letras, mas também um viajante pelas palavras poéticas e pelas nuances antropológicas da cultura humana. Pesquisador das poéticas da voz.