Não vou mais escrever sobre política, nem na Língua de Trapo nem na Zuckerlândia; já me alertaram que isso é coisa de “gente chata”.

Agora vou concentrar em me tornar um cara legal, limitando-me a postar vídeos de bichinhos fazendo fofurices e de receitinhas gostosas.

E só.

Afinal de contas, é isso que importa na vida, né?

Começo essa minha nova fase com uma receita especial de “democracia ao molho pardo”, aprovadíssima em todos os bailes dos clubes militares do país desde 1964.

INGREDIENTES:

– uma peça inteira de democracia, estilo “baby beef”, com menos de 30 anos;

– uma xícara (de sopa) de direitos sociais sortidos;

– um congresso (grande) de deputados e senadores vendidos;

– pitadas generosas de machismo em pó;

– onze camisetas da CBF (de preferência carimbadas pelo Peru e falsificadas, com etiquetas “made in China”);

– duas colheres (de chá) de homofobia;

– três caçarolas (preferencialmente afinadas em tons maiores – eu costumo usar dó maior e mi menor, minhas prediletas);

– seis xícaras (de chá) de fascistinhas empanados;

– dois ministérios extintos por um governo ilegítimo;

– cinco litros de sangue de gente pobre e sofrida;

– uma colher (de sopa) de mistura processada de hipocrisia, demagogia e indignação seletiva;

– três folhas de revista ou jornal tendencioso (pode ser Veja, Época, o Globo, Estado de São Paulo ou qualquer um do gênero);

– sal e pimenta do reino a gosto;

MODO DE PREPARO:

– misture todos os ingredientes (menos o sangue e as folhas de revista ou jornal) num processador;

– leve ao fogo médio até ferver;

– acrescente o sangue e espere coagular;

– mexa mais quinze minutos até obter o ponto correto; e

– sirva quente, decorando com as folhas de revista ou jornal para um toque “gourmet”.

Esta receita costuma servir até um gabinete inteiro de golpistas, com sobras.

Se ainda assim for preciso dobrar a receita, aproveite o atual momento político, em que a fartura dos ingredientes necessários é garantida.

Semana que vem postarei uns vídeos de bichinhos fofos; pensei em uns negrinhos africanos passando fome e sorrindo, mas aceito sugestões.