O Cara estava sozinho na sala. Usava uma croc ligeiramente encardida, uma bermuda da Pakalolo e uma camisa com a foto do Donald Trump e os dizeres “Make The World Great Again”. Mexia distraído o seu iphone quando seu amigo Frendo chegou sorrateiro como de costume.
– Já tá no Tinder de novo, né, Cara? Você não toma jeito, hein?
– Que susto, brother. Não se brinca desse jeito. Quase morri enfartado.
– Ôxe, e tu não é imortal? Não me enrola que eu vi você conversando com uma doidinha aí no celular. Quem é?
– Estamos só nos conhecendo. Amizade mesmo. Tô me sentindo só, amigo. Criei esse universo todo, mas não consigo arrumar uma mulher. Tem alguma sugestão?
– Você está procurando nos lugares errados. Já tentou nos cultos? Com a fama que tu tem, por lá tu pega geral.
– No away. Tô querendo um negócio mais requintado. Tô sem saco pra esse papo brabo de crente. Muito mimimi. Muita falta de imaginação. Os caras ainda hoje dizem que criei o mundo em 7 dias. Nem a Sersan e a Odebrecht juntas dariam conta.
– O certo é no way, Cara. Não sei nem se no away existe. Tá faltando as aulas de inglês de novo, é? Eita, amigo. Desse jeito tu não progride. No rumo que as coisas andam é possível que tu precise de emprego logo logo. O inglês vai ajudar.
– Aquele negócio de impeachment ainda?
– Exato. O projeto da humanidade foi um fracasso total. Eu disse desde o começo que criá-los era furada.
– E o lance do livre-arbítrio? Eu disse que se alguma coisa desse errado era pra culpar o tal do livre-arbítrio.
– Pois é. Mas acho que não colou. A oposição já abriu até uma CPI.
– Senhor, Senhor….
– Que agonia é essa Gaby? Te recompõe, rapaz. Parece que vai tirar o pai da forca. E para de me chamar de Senhor. Já te disse que agora eu sou O Cara.
– Cara, desculpa. Tenho más noticias. Jesus tá preso.
– Vixe Maria. O que esse menino aprontou agora?
– Foi preso numa festa da Skol Beats multiplicando cerveja pra galera dele.
– Mas que estória mais sem rumo é essa, Gaby? Como é que pode? Quantas cervejas esse menino multiplicou pra ter sido preso?
– Um bocado, Senh… quer dizer, Cara. Um bocado. Ele multiplicou mais coisas também. Parece que tava tentando impressionar alguém. Um tal de João. Dizem que multiplicou até MD.
– Que conversa de João é essa, Gaby? Essa mulher é de Portugal? Lá é que tem umas mulheres com nome de homem, não é mesmo, Frendo?
– Não me bota nessa história, Cara. Já te disse pra tu mandar esse menino pra escola do Bolsonaro. Lá já tinham dado uns tapas no Filho e ele já tinha tomado rumo.
– Outra hora a gente fala sobre esse assunto. Quanto é a fiança, Gaby? Vamos soltar esse menino de uma vez.
– Esse não é o único problema, Cara. O Filho já tinha outro processo por multiplicação no passado. Aquela história dos pães e do vinho, lembra? Pois é, agora tão acusando o menino de comunista. O caso já foi pra Curitiba.
– Comunista? Joga essa praga pra lá. Assim que ele sair dessa confusão, mando ele direto pra escola do Bolsonaro. Quero que ele tenha aula direto com o Feliciano. Quero ver se ele não aprende a ser homem. Anota aí pra eu não esquecer, Frendo.
– Só um adendo, Cara. Não é querendo me intrometer, mas, se o lance é aprender a ser a homem, acho que o Feliciano não é o mais indicado.
– Depois a gente vê isso. Vamos resolver esse pepino primeiro, Gaby. Diz logo pra mandarem o caso do menino pro STF. Ele tem foro privilegiado. Lá a gente resolve mais fácil. A Fera do Pântano ainda trabalha lá, não trabalha, Frendo?
– Trabalha. Agora virou Presidente.
– Perfeito. E aí, Gaby?
– Acho que não será possível, Cara. O juiz lá em Curitiba é o Moro. Tentei argumentar antes de vir aqui. Disse de quem era filho e tal. Mas o juiz disse que as leis de Curitiba são muito mais rigorosas que as suas.
– Vixe, ainda tem essa? Hum. Vamos ter que pegar pesado. Seguinte. Liga pra esse juiz aí e oferece uma mansão com uma Ferrari na garagem em qualquer lugar do Brasil. Mas pede pra soltar ainda hoje.
– Já fiz. Não deu certo.
– Não deu? Diz que pode ser em qualquer lugar do mundo então.
– Já fiz. Também não deu certo.
– Putz. Então oferece, além disso, tudo, um iate e um apartamento na Champs-Élysées. Diz que é do lado do apê do éfe-agá-cê.
– Nananinanan.
– For fuck’s sake. Também não quer? Sujeitinho peça ruim esse.
– Cara… acho que tive uma ideia melhor.
– Fala, Frendo.
–  Desfilia o menino do Psol e filia no PSDB. Com ele lá, nem com uma delação direta do Papa ele fica preso.
– Perfeito, Frendo. Perfeito.