O PT enfrenta o destino daqueles que escolhem dormir com escorpiões. Sob o argumento da governabilidade – que se mostrou ilusório ou mentiroso -, justificou as mais espúrias alianças. A derrota deste domingo – um evidente golpe, pois e qualquer termo que não seja golpe não passará de eufemismo. – se constrói desde a escolha de Temer para vice-presidente, na primeira gestão da presidenta.

No período que antecedeu as eleições de 2014, ficou bastante clara a necessidade de Dilma buscar uma aproximação com as esquerdas. Houve esta sinalização por parte dela, mas, depois de eleita, desprezou suas bases, se afastou dos movimentos sociais, empurrou parte das esquerdas para a oposição e se juntou aos seus algozes.

Deitou-se com os escorpiões. Nomeou um ministério digno de seu adversário, Aécio Neves, e passou a seguir fielmente cartilha e agenda essencialmente neoliberais. Assim, cada vez mais, afastou-se e descontentou suas bases. Tentou se aproximar e compor com Cunha, sociopata e representante maior da escória política do país. Concedeu o dedo e pediram a mão; deu a mão e pediram o braço; entregou o braço e exigiram sua alma; quando negou foi tarde.

Diversas vezes, fiz críticas contundentes ao governo Dilma.  Critiquei as políticas econômicas neoliberais, as degeneradas coligações, o afastamento das bases. Fui tachado por petistas de “fogo amigo”, que justificavam as posturas incoerentes do governo sob o argumento da frágil e ilusória governabilidade. Taí, a picada do escorpião desconstruiu esse pretexto. A governabilidade nunca existiu.

Temos, sem dúvida, um dos piores Congressos da história. Ao ouvir um deputado do MT citar Olavo de Carvalho e dizer que PT significa “Perca Total”; Eduardo Bolsonaro dedicar seu voto aos militares de 64;  Fausto Pinato de São Paulo comparar o governo a Venezuela e Coreia do Norte;   Jair Bolsonaro homenagear Brilhante Ulstra, psicótico torturador da ditadura civil-militar que assolou o país, dá para mensurar o nível de alguns parlamentares  que temos. Sofrível.

Contudo, não podemos atribuir a culpa somente ao Congresso ordinário e prostituído, e eximirmos o PT.  Quem vende seus princípios fica sem nada. Se esvazia. É momento de o partido assumir e refletir sobre os erros  profundos cometidos. O processo de impeachment passou por sua primeira fase, há ainda o Senado e o STF.
Qualquer que seja o desfecho, todos perdemos, perdemos muito. O Estado democrático e de direito foi duramente golpeado; a imagem externa do país foi fortemente maculada; e a crise política e econômica não será amenizada.
Qualquer que seja o resultado, teremos tempos sombrios pela frente. Ilude-se quem pensa que no day after do processo tudo se ajustará. Estas visões rasas e simplistas são equivocadas. O veneno do escorpião espalhou-se no país todo, e os efeitos serão sentidos por muito tempo.

E para quem quer mudanças de fato, que entenda que só as reformas política e do judiciário amplas e profundas nos salvarão. Enquanto isso, todos estaremos sob o efeito do veneno dos escorpiões.