Hoje ela bateu à porta

chamou pelo meu nome e pediu pra entrar

Traz um copo d’água que tô com sede, depressa!
Sentou na cadeira, passou a mão por debaixo

da camiseta e arrancou-lhe o sutiã.

Cansada, soprou o próprio rosto.

Fez carinho na cadela de estimação

perguntando de modo carinhoso se ela almoçou.

Foi almoçar.

 

Traz um copo d’água, corre, tô entalada!

Ligou  a tv com o cabo de vassoura,

 

linhas e agulhas de crochê eram as

companhias enquanto assistia à novela da tarde.

Tomou banho, penteou os cabelos para trás e vestiu uma camiseta branca,

café na mão e pensamento ao longe.
Fez janta.

Anda logo menino, vem comer, tá esfriando!
Você é o bebê da mamãe?

Enquanto ele descia as escadas.

Assistiu ao Jornal Nacional, perdeu a paciência com a mocinha da novela.

 

Hoje ela não quis dormir aqui.

 

Deitou-se  na cama com estrelas de estampa

e cobriu-se com seu edredom de nuvens.
Apaga a luz logo, que tô com sono!