nunca esquecer

reinaldo azevedo fez post sobre o avc sofrido por Dona Marisa.
rapidinho, a matilha hidrófoba começou a vomitar ódio nos comentários.
azevedo, então, fechou o post para comentários, advertindo que não permitiria “o fascismo da vulgaridade”.

vi gente boa celebrando isso.
que pena.

não existe um fascismo “mau” e um fascismo “bom”.
existe o FASCISMO, e ele é sempre abjeto, perigoso, e, pois, deve ser destruído.

o que seria um fascismo “não vulgar”?
apenas por um exemplo, orgulhar-se publicamente de ser o criador da patética [mas eficiente, em termos de comunicação subliminar] expressão “petralha”, para demonizar um partido, seus representantes, militantes e simpatizantes?

há dramas pessoais de tal gravidade que costumam humanizar até a mais glacial, emocionalmente falando, pessoa.
mas não é regra.

alckmin, por exemplo, perdeu um filho de forma trágica, e isso, longe de revelar algo de minimamente humano que habitava aquela sua inescrutável persona, revelou incontido o monstro que encerrava em suas profundezas, que, num exemplo simbólico, passou a massacrar crianças e adolescentes das ocupações escolares, emitindo um débil e cruel urro íntimo: “se eu sofro como pai, sofram os pais de vocês também”.

assim como Dona Marisa, anos atrás, azevedo teve um problema grave de sáude: um tumor no cérebro.
antes deste, já exibia as garras imundas e as presas podres em defesa de seus donos, mas, após a operação, tornou-se ainda pior, dando a impressão de que tiraram-lhe todo o cérebro, deixando o tumor no lugar.

em conjunto com os “azevedos” que cada veículo da mídia bandida e FASCISTA contratou e adestrou para chamar de seu, é um dos responsáveis diretos pela demonização da esquerda como um todo e pelo ódio decorrente dessa estratégia.

agora pede relativização também do horror que insuflou…

com isso, azevedo não está sendo “justo”, tampouco “humano”, está sendo apenas repulsivamente cínico – e covarde, percebendo somente agora os monstros que criou.

não nos esqueçamos: reinaldo azevedo é um FASCISTA.
e como tal deve ser tratado.
sempre.