CEC_4716

 

Amarildo recebeu-nos com um sorriso e nos mandou sentar. A venda é cheia de quinquilharias, que vão desde licores vendidos em dose até pilhas, caixa de fósforos, etc.

O que destacava no espaço era a TV de 50 polegadas. Amarildo é apaixonado por TV e especialmente pela Rede Globo, segundo nos contou. Bem-articulado e muito falador, justificou suas preferências numa espécie de crítica televisiva.

É também grande fã de Roberto Carlos. Numa das prateleiras da venda tem a discografia completa. Mas sua grande paixão é Xuxa. Tem discos, revistas, recortes de jornais, isto é, tudo que sai sobre Xuxa Amarildo coleciona. Contou toda a história da carreira dela fazendo análises e falou sobre a expectativa de assistir a seu novo programa, que ainda não havia estreado.

Sua venda também é uma espécie de rádio para a comunidade, pois aos finais de semana ele tem uma programação musical específica: aos domingos seleção de músicas de Roberto Carlos e aos sábados da Xuxa.

Amarildo é escritor também. Seus livros – são onze no total – são manuscritos. Isto é, ele os escreve e ilustra à mão. As temáticas são variadas, escreveu uma autobiografia, também sobre 51 curiosidades sobre Amarildo – uma para cada ano completo de vida – e outras sobre a história de Igatu. A cada ano Amarildo reedita seus livros, isto é, escreve uma nova edição atualizada.

Durante toda a conversa com Amarildo, eu estava com a câmera na mão e só pensava em fotografá-lo naquela posição. Mas o percebi meio incomodado com a câmera e virei a lente para o lado oposto ao dele. Amarildo confessou não gostar de ser fotografado e não permitir filmagens.

Depois de três horas de conversa, ao nos despedirmos, perguntei se deixava que eu o fotografasse. Ele sorriu e disse que sim, mas que fosse no dia seguinte, pois estava com a barba por fazer e vestido de maneira inadequada. Fiquei um pouco frustrado e pedi que fosse naquele cenário. Ele concordou.Na manhã seguinte, procurei Amarildo nos Correios do povoado e ele estava me esperando. “Vamos fotografar?” perguntei a ele, que abriu um sorriso e disse “Vamos lá!”. Disse-me também que havia colocado a camisa que usa em dias de eleições, já que é o mesário do povoado.

Seguimos até sua casa e fiz muitas fotos exatamente onde queria. Esta é uma delas.

Amarildo é certamente uma das figuras populares mais curiosas e engraçadas que conheci. Inteligente, bem-humorado e com uma forma única de enxergar a vida. Este é Amarildo.

CEC_4866