O BOBO (hoje) – Festa-surpresa em casa noturna paulistana marca comemoração de prêmio concedido a Lobão e mobilização do grupo “Mi-ame Brazil” pelo impeachment de Dilma e extinção do PT.

  

Na noite do último domingo – consagrada data de balada para artistas e famosos -, inúmeros representantes do grupo “Mi-ami Brazil” (formado na casa de Luciano Huck e Angélica em outro evento coberto por este jornal) organizaram festa-surpresa em exclusiva casa noturna de São Paulo para prestar homenagem a João Luiz Woerdenbag Filho, o Lobão, que venceu o prêmio “Bundão do Impeachment” em disputa acirradíssima até a última eliminatória quando derrubou a finalista Ju Isen por menos de um milésimo de glúteo de vantagem (outra matéria desta mesma edição trata da indignação com a derrota quando Ju, em atitude originalíssima de protesto pela escolha do júri, tirou a roupa e foi correr nua pelas ruas de Porto Alegre).

Entre os inúmeros ilustres convidados, destacaram-se o francês naturalizado brasileiro e monarca-sommelier-sociólogo-estadista-boca-de-sovaco-promoter-de-black-friday-de-estatais Fernando Henrique Cardoso, o veneziano de bem Diogo Mainardi, o filósofo Danilo Gentili, o virgem de 55 anos Luis Pondé, o test-driver de cashmere João Dória, o craque do Caixa 2 Futebol Clube Neymar Júnior, o ex-bolchevique e atual senador-lutador-de-MMA Aloysio Nunes, o senador-“promoter” e empresário do ramo da aviação Aécio Neves, o juiz tucano Sergio Moro, o banqueiro-jesuíta Marco Feliciano, o ex-oficial da Schutzstaffel Jair “Meine Ehre heißt Treue” Bolsonaro, o ex-biamputado Roger Moreira, a em-dúvida-de-quem-seria Marina Silva, o motorista de limusine em Miami Eike Batista, o dramaturgo-neoliberal Rodrigo Constantino, o pikachu-trainee Kim Kataguiri e os tenores-siameses Zezé Di Camargo & Luciano.

Ausência sentida foi a da porta-voz da KKK Rachel Sheherazade, que, por conta de convite aceito com antecedência para narração de espancamento de menores negros no Jockey Club da cidade, não pode comparecer.

No bar da boate, o homenageado afirmou sorridente que nada sabia sobre a surpresa: “Gente, eu só fiquei sabendo da festa e do prêmio quando cheguei na porta da boate. O Danilo (Gentili) foi me buscar todo esbaforido em casa e me sacaneou dizendo que o Mano Brown estava indo pra lá furioso e foi então que saímos correndo sem direção, por isso ainda estou arfando um pouco”, declarou já mais tranquilo dentro da casa noturna e cercado por seguranças. “Esse prêmio é uma benção. E para quem vive dizendo que sou um poço de ódio e rancor ele é a maior prova de meu atual momento de serenidade e paz interior. Aproveito para dizer que quem discordar de minha vitória e chamar impeachment de golpe que vá pra puta que o pariu, bando de filhos da puta recalcados de merda, petistas vagabundos, bolsistas bolivarianistas, filhotes de Che Guevara”, arrematou visivelmente emocionado.

O encontro foi bem descontraído e foram servidas coxinhas-gourmet da premiada chef Roberta Sudbrack, harmonizadas com Grand Crus de Bordeaux sugeridos pelo monarca-sommelier mascote da festa.

“Nós, os amigos do Lobão, nunca deixaríamos um acontecimento tão importante como esse passar em branco. Uma homenagem linda assim serve para não permitir que sua premiação vire pó”, declarou em fala acelerada Aécio Neves, com três copos de vodka com energético em cada mão e muito agitado – segundo o próprio “apenas por conta da empolgação pelo prêmio do amigo”.

 “Não aceito quando tacham nosso movimento de elitista, taí presente o Eike como legítimo representante negro da classe operária pra desmentir esses petistas idiotas”, declarou o sempre engajado e equilibrado Roger Moreira.

Luis Pondé aproveitou o ambiente intimista para declarar que “festa da direita é uma merda porque de mulher gostosa só tem a Narcisa Tamborindeguy, aí a gente tem que ficar na punheta literária mesmo”.

Já Danilo Gentili, com seu humor fino, bradava “golpe militar, golpe militar, golpe militar, fora PT, leve a União Soviética junto que eu vou mostrar a minha perestroika pro Constantino”, figurando entre os mais bem-humorados da festa.

João Dória e Sergio Moro preferiram conspirar no canto da pista de dança e não dar declarações.

O momento constrangedor do evento ficou por conta de Aloysio Nunes, que engasgou com quatro coxinhas mastigadas simultaneamente e que assim não conseguiu fazer nenhuma declaração compreensível quando entrevistado; todavia, notadamente sensibilizado, consertou a gafe ao arrancar com um só tapa o microfone das mãos da âncora Luciana Gimenez, que cobria a festa, num gesto de delicada homenagem ao anfitrião e a todas as mulheres.

Já Kim Kataguiri foi visto pedindo a senha do wi-fi para poder participar de uma passeata on line com seu Nintendo DS. Informado pela direção da boate que a senha era “naovaitergolpe”, resolveu usar o 4G de seu smartphone.

O grupo aproveitou o encontro da “intelligentsia” nacional para discutir o impeachment da presidente búlgaro-lulística, prioridade absoluta do movimento “Mi-ame Brazil” para 2016. Coube ao anfitrião ler uma pequena resenha de suas demandas:

– impeachment de Dilma promulgado por Gilmar Mendes, Eduardo Cunha ou Michel Temer e a sequencial implantação do plano “ponte para o futuro” e da monarquia peemedebística-tucana no país por um prazo mínimo de 200 anos;

– prisão imediata de Lula e de todos seus parentes de até quarto grau;

– extinção do PT e de todos os partidos bolivarianistas do país como medida radical de salvação da democracia brasileira;

– proibição do uso da cor vermelha em ciclovias e vestimentas de toda espécie – o que não se aplica a carros esportivos;

– anistia para todos os executivos de empreiteiras e demais presos políticos;

– fim da era de caça às bruxas com a extinção da operação Lava Jato;

– revisão das letras das músicas de Chico Buarque por Zezé Di Camargo e Luciano;

– redução drástica da inflação com a eliminação dos direitos trabalhistas e com o encerramento de todas as bolsas-esmolas e programas de fomento para nordestinos, que comprovadamente não sabem votar;

– aplicação da filosofia meritocrática como base do novo governo, de forma a privilegiar os espermatozóides vencedores que fecundaram óvulos de mães milionárias e bem-nascidas;

– abolição da escravidão dos médicos cubanos, seguida de sua automática deportação;

– construção de muro por toda a fronteira Brasil-Venezuela;

– devolução imediata do Porto de Mariel;

– redução temporária do salário mínimo para R$ 32,00 até que a saúde financeira dos bancos privados possibilite novos reajustes;

– eliminação do gayzismo com a aplicação de cintos de castidade em todos os homossexuais da nação até sua conversão a uma religião heterossexual; e

– fechamento de contratos públicos de propaganda com a editora Abril, com a Folha de SP, com as Organizações Globo e com o Estadão, no valor de 45% do PIB.

Após a leitura do documento escutou-se uma salva de palmas que durou ao menos cinco horas, segundo a PM paulista.

Os participantes do encontro então protagonizaram o momento mais emocionante da noite: todos de mãos dadas na pista de dança rezaram em nome da saúde econômica e social do país e de suas gentes de bem, de forma improvisada mas em coro uníssono: “Moro nosso que estais no céu, santificado seja Vosso Impeachment / Venha a nós a Vossa Petição / Seja feita a Vossa vontade, assim em Curitiba como em Brasília / O brioche nosso de cada dia nos dai hoje / Perdoai as nossas ofensas assim como não perdoamos os comunas / E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do PT, amém!”.

Já no fim da festa e durante as despedidas dos participantes, muitos abraços e promessas de novo encontro em breve. Aécio Neves, ainda muito agitado, prometia “esticar” a balada “em algum canto de Sampa” por mais três meses.

Populares de todas as classes sociais, em especial moradores dos Jardins, aglomeraram-se na porta da boate na tentativa de também participar da comemoração. Na saída, o homenageado escutou empolgados gritos de “queremos os militares de volta” e ameaçou brigar com algumas pessoas, mas, lembrando-se da natureza de sua premiação, preferiu sair rapidamente com um sorriso amarelo no rosto, seguindo direto para sua residência, onde um “hang out” seguido de sarau de leitura da revista Veja com Olavo de Carvalho o aguardava.

(na foto, Danilo e Lobão mandando lembranças a Mano Brown – cercados por seguranças – e as coxinhas-gourmet servidas na festa)