Hoje é dia de um monte de homem passar vergonhão nas redes sociais postando fotos de flores acompanhadas de comentários cretinos como “mulheres, parabéns pelo seu dia!” ou ainda “todo dia deveria ser dia da mulher!”.

Fossem tais machos apenas idiotas, eu relevaria, mas não; esses caras atrapalham – e muito – a causa feminista à medida que reduzem um dia de reflexão e de luta a uma efeméride superficial e fofinha, com direito a congratulações e presentinhos.

Se cada machinho miento usasse o tempo que hoje gastou a buscar no Google fotos de rosas para, em vez disso, refletir sobre suas atitudes machistas cotidianas, o dia internacional da mulher faria muito mais sentido.

Nessa porra de mundo dominado de ponta a ponta pelo patriarcado, todo homem com um mínimo de consciência de classe tem a obrigação moral de fazer frequentes autocriticas na busca contínua da mitigação do machismo que nos toma nas pequenas, medias e grandes atitudes.

Mais: é preciso também combater incansavelmente o corporativismo masculino que valida o machismo, por exemplo, através de piadinhas e comportamentos reprováveis respondidos com risadinhas cúmplices.

Tudo isso através de ações, não discursos.

Eu tenho uma filha; logo Pitú se transformará em uma mulher adulta.

E eu não deixarei de combater o machismo todos os dias de minha vida.

Por ela.

E por todas as mulheres oprimidas, vilipendiadas, alijadas e mortas simplesmente por serem mulheres.

Porque ser comunista é aliar-se aos desvalidos, oprimidos e massacrados.

Sempre.