Ladies, gentlemen e desprezíveis serviçais, dito mais este magnífico texto ao meu mordomo e escriba-mor, Atchibald. Sou um magnânimo defensor da tal Escola Sem Partido e Sem Merenda.  A esquerdopata UNESCO, que é um órgão da bolchevista ONU, criticou o programa. Ora, se os sórdidos comunistas gayzistas feminazis bolivarianos são contra, então somos a favor.

Resta a nós, homens de bem e fina flor desta sociedade bandeirante, defendermos a Escola Sem Partido e Sem Merenda. Ladies and gentlemen, para que ensinar serviçais e lumpens a pensarem se podemos enfiar goela abaixo pensamentos prontos, pasteurizados? Assim economizamos seus neurônios e amenizamos seu sofrimento, pois a ignorância é uma dádiva. Quanto menos se sabe, menos se sofre.

Nós, aristocratas, temos de exigir uma escola laica, mas desde que seja cristã, pois a religião traz alento e conformismo aos explorados serviçais. Ainda que sintam o peso da exploração do trabalho e da carestia da vida se resignarão, pois acreditarão que é um desígnio de Deus. Um viva à sujeição, nobres amigos!

Nestas plagas bandeirantes, o caminho para a Escola Sem Partido e Sem Merenda está bem pavimentado. Sir Gerald Opus Dei Alckmist – aquele que transforma água em bosta e conta com que seu povo a beba satisfeito – já colocou em prática a Escola Sem Merenda, um projeto encantador.

Já imaginaram pequerruchos míseros e famélicos indo à escola para comer merenda? É antididático, nada aprenderão, pois só terão olhos para a salsicha e a bolacha (ou seria biscoito?). Confiscada a merenda, só irão à escola aqueles que quiserem estudar de fato, e aí lhes aplicaremos a Pedagogia da Alheação, que é um método desenvolvido por mim e consiste na repetição por no mínimo cem vezes de cada conceito que queiramos que introjetem.  Por exemplo: “Menos Marx mais Mises” ou “Fim à doutrinação! Menos Paulo Freire, mais Lord Tupiniquim.” Isto é Educação, cavalheiros.

A Pedagogia da Alheação usará como material didático as fidedignas revistas Veja e Isto É, os neutríssimos Estadão e O Globo, e todas as pesquisas adotadas para reforçar o método serão feitas pelo Datafolha, o mágico das estatísticas. Pedagogia do Oprimido será o primeiro livro a entrar para o nosso índex proibittórium. Esta é a verdadeira Escola Sem Partido e Sem Merenda. Supimpa!

No entanto, os vermelhos bolchevistas a maldizem. Clamam por uma escola que forme cidadãos críticos, seres pensantes. Ora, ora, ora, definitivamente comunistas não gostam de pobres, querem expô-los à lancinante dor da lucidez. Mas como bons cristãos, nós homens de bem e caridosos que somos, lutaremos com todas as nossas armas: nosso judiciário apartidário e imparcial e a imprensa isenta.

Desventurados serviçais, contem com a sublime e misericordiosa aristocracia, da qual sou o ser mais etéreo, para defender vossos inexpugnáveis direitos. É pelo vosso bem, assim como de vossos infantes, que despendi meu precioso tempo pensando a Pedagogia da Alheação. Desembainharei meu real espadim na luta por uma escola sem partido, sem merenda, sem prédios, sem professores, para mantê-los como grandes reprodutores de nossa fidalga sapiência. E tenho dito!

Nota do escriba: Milord reavivará o index proibitórium, a lista de livros proibidos pela Igreja na Idade Média.